Arquivo da tag: saúde

Registro da Passeata da Saúde

Passeata da Saúde da Ocupação Jardim da União

A negação de atendimento às famílias do Jardim da União revela como o Estado trata a população que luta, e que não é trouxa de acreditar em promessa de eleição, de tirar comida do prato para pagar um aluguel que não para de subir, de achar normal que terras enormes fiquem abandonadas, enquanto o povo vive em situação precária. Como se não fossem gente, as famílias da ocupação encontravam as portas dos postos de saúde fechadas, independente da gravidade de sua doença.
Mas essa situação não se repetirá. Não aceitaremos discriminação!
Todo Poder ao Povo!

Anúncios

AGORA: Jd. da União Luta pela Saúde

AGORA: PROTESTO PELO ATENDIMENTO DE SAÚDE DOS MORADORES DA OCUPAÇÃO JD. DA UNIÃO

Um conjunto de moradores do Jardim da União realizam neste momento uma marcha silenciosa até a Unidade Básica de Saúde (UBS) da Chácara do Conde, cobrando explicações sobre a negação de atendimento às famílias da Ocupação.
Gestantes, idosos, recém-nascidos, pessoas com doenças graves e em tratamento com remédios controlados, e qualquer um que busque atendimento nos postos de saúde da região encontra portas fechadas no momento em que os funcionários descobrem que o paciente reside na Ocupação.
Qualquer pessoa que depende do sistema público de saúde sabe que o atendimento nas UBSs é a base para qualquer outro atendimento especializado, incluindo o fornecimento de remédios, o agendamento de exames e cirurgias etc. Nesse sentido, a discriminação contra os moradores do Jardim da União é uma violência sem tamanho, praticamente uma condenação à morte das pessoas com alguma doença grave.
Segundo o gerente da UBS Chácara do Conde a ordem para a negação do atendimento partiu da Subprefeita da Capela do Socorro, Cleide Pandolfi. E o argumento mobilizado pelos atendentes dos postos de saúde é a ausência de um endereço. Ocorre que a Ocupação Jardim da União existe há mais de 1 ano, e possui endereço, ruas amplas, as casas possuem números, o acesso é fácil, o espaço é organizado.
Não existe assim qualquer razão verdadeira para essa terrível negligência, apenas o preconceito e o sadismo por parte dos gestores das UBSs e da Subprefeitura, muito mais preocupados com cifras do que com as necessidades da população.
Caso esse quadro não mude imediatamente, as famílias do Jardim da União iniciarão uma jornada de lutas para combater a discriminação e garantir o atendimento nas UBSs.
(Segue aí o link de um vídeo no qual algumas moradoras relatam a falta de atendimento: https://vimeo.com/110124528).
Contatos:
Sandra: 981598698
Valéria: 966987071
Sônia: 961317816

Denúncia Jardim da União

Subprefeitura nega atendimento de saúde às famílias do Jardim da União

O vídeo abaixo mostra o depoimento de algumas mulheres do Jardim da União que tiveram atendimento negado em postos de saúde, para si próprias ou para seus bebês. Algumas delas foram conversar com o gerente de um dos postos, e foram informadas que se trata de uma ordem da Subprefeitura da Capela do Socorro, Cleide Pandolfi, que já cometeu inúmeras violências contra as famílias do Jardim da União. Além dos despejos, da violência policial, do cinismo, das mentiras, os moradores do Jardim da União são brutalmente discriminados, como se não fossem pessoas, e são impedidos de marcar exames, cirurgias, consultas médicas, de pegar remédios, de fazer pré-natal etc.

Junta-se uma “administradora” psicopata, lacaia das grandes empresas, com um sistema de saúde extremamente precário e dominado por empresas que colocam os lucros acima das necessidades das pessoas, e é isso que dá. Mas esse quadro irá mudar, e as famílias do Jardim da União sabem bem como realizar essa mudança… Todo poder ao povo!

Lutas no Extremo Sul

Poder Popular no Grajaú

Desde junho estamos vivendo um momento de transformações nas formas de luta no Grajaú e outras regiões do Extremo Sul. As lutamanifestações contra o aumento do transporte – que foram bem diferentes no centro e na periferia, em particular no Grajaú – culminaram numa revolta popular contra o aumento de custo de vida de modo geral. Não eram só 20 centavos da tarifa abusiva do o transporte: era o preço da comida, dos remédios que não são encontrados nos postos de saúde, e principalmente dos alugueis, já que o setor imobiliário se transformou nos últimos anos uma das  principais formas de exploração do povo.

???????????????????????????????No começo de julho um movimento de ocupações de terras, iniciado numa imensa área do Moraes Prado, incentivou milhares de outros moradores a buscar outros terrenos abandonados. Essa forma de luta direta, ao contrário do que diz o poder público, não tem nada a ver com  grupos orquestrados por partidos de oposição à atual gestão municipal. O movimento não está pautado pelas disputas eleitorais ou no oportunismo, que a prefeitura reafirma incansavelmente. Ao contrário, o movimento está pautado na necessidade concreta das famílias, que foram duramente expropriadas durante anos de despejos. É uma luta econômica contra a especulação imobiliária, que se desenvolvido e fortalecido pelas próprias políticas de habitação.

Na última semana vivemos mais importantes momentos da ???????????????????????????????afirmação da luta do povo no Grajaú. Na ocupação Recanto da Vitória, que teve uma importante conquista na semana passada, com a suspensão da liminar de reintegração de posse no mesmo dia que travamos a saída da Viação Cidade Dutra (conhecida como Bola Branca), tivemos um final de semana de comemoração, com café da manhã, teatro, música e multirão para melhorar o espaço.

Já a ocupação Jardim da Luta, no Gaivotas, que está em área de propriedade privada e que já foi ocupada diversas vezes nos últimos 20 anos e em todas elas, foi despejada, está caminhando na negociação  para a construção definitiva de moradias populares para os ocupantes. Junto com isso, a cada dia melhora sua organização interna por meio de trabalho coletivo.

???????????????????????????????Finalmente, a ocupação Jardim da União, do Itajaí – que já tinha sido despejada 3 vezes no último mês – foi novamente reocupada no sábado. Com nova ação de despejo na segunda-feira, os ocupantes marcharam até a subprefeitura e pressionaram o poder público a parar com a truculência. A intransigência e violência da prefeitura não está intimidando o povo que está disposto a reocupar quantas vezes for preciso, para que suas necessidades sejam ouvidas com respeito. E foi isso que aconteceu na terça-feira, quando o terreno foi reocupado mais uma vez, pelas mesmas pessoas que foram pra luta na quarta, junto com as ocupações Jd. da Luta e Recanto da Vitória e o apoio da Favela do Moinho. Com isso, foi arrancada na marra uma negociação com a Secretaria de Habitação do Município de São Paulo, que até então havia negado a possibilidade de negociação com os ocupantes. 

luta do transporte no extremo sulE como sabemos, a luta da moradia está ligada a muitas outras lutas: da saúde, educação e transporte, por exemplo. Com a força da ocupação Recanto da Vitória, foi anunciada a construção de uma unidade básica de saúde no Lucélia, que é uma reivindicação antiga dos moradores da região. Uma promessa não é garantia de nada, mas isso mostra a força do povo lutando junto pelo que??????????????????????????????? precisa. A luta do transporte no Extremo Sul também está caminhando, com muita agitação nos terminais, trabalhos realizados em praças, escolas, feiras e ocupações, se articulando à luta pela moradia, e às lutas dos estudantes e trabalhadores na região.

Nossa primavera ainda vai chegar. Periferia Luta!

Vamo que vamo! Todo poder ao povo!!!

VÍDEO DA UBS POPULAR

Vídeo: UBS Popular do Cantinho do Céu

Acabou a “trégua”

UBS do Cantinho do Céu Já! 

Imagem

Prometeram que a UBS estaria funcionando em fevereiro deste ano, e apesar de um monte de político picareta ter tentado se apropriar das lutas, e ter dito na última campanha que “conseguiram a UBS do Cantinho do Céu”, o terreno ainda nem foi desapropriado…Então, as pessoas engajadas nessa luta retomaram as atividades, e aconteceu hoje a UBS Popular do Cantinho do Céu, com medição de pressão, de diabetes, panfletagem, ideias, denúncias, e um chamado para a união dos moradores e para a luta.

Imagem

Em poucas horas, foram centenas desse tipo de atendimento básico, o que revela a precariedade da saúde no bairro. Se não se tem acesso nem mesmo a esse tipo de exame tão simples (porém tão importante), o que dizer dos exames e tratamentos mais complexos e caros?

Imagem

Então, além de ser um meio para algumas empresas ganharem muito dinheiro, além de ser uma fonte de corrupção, de ser um cabide de empregos, e um jeito de favorecer politiqueiros, esse sistema de saúde se tornou um matadouro. Mas quem sofre com isso é quem tem o poder para mudar essa situação, e por esse motivo que daremos continuidade às lutas.

Imagem

Imagem

UBS Popular do Cantinho do Céu

Imagem

Sarau da Casinha!!! Cantinho do Céu

Saúde no Extremo Sul

Vale a pena registrar, para cobrar

No meio de abril, fizemos um primeiro protesto em frente à UBS do Residencial Cocaia, denunciando a precariedade do atendimento público de saúde em nossa região, e cobrando a criação da UBS do Cantinho do Céu. Nesse dia, membros da Coordenadoria de Saúde e da Supervisão Técnica de Saúde nos disseram que estava tudo certo para o aluguel de um imóvel, e que a UBS estaria funcionando, na pior das hipóteses, em setembro. Tudo de boca, sem nenhum compromisso escrito, como já havia sido feito tantas vezes, ao longo de anos.
Mas o protesto “motivou” a burocracia da saúde a trabalhar, e assim, 2 dias depois se descobriu que não seria possível alugar o tal imóvel (!), ou seja, primeiro prometeram, depois foram atrás de saber a real. No entanto, junto à Subprefeitura, e em acordo com o proprietário do imóvel, eles resolveram entrar com a desapropriação do prédio, para depois fechar o contrato, como pode ser visto no documento abaixo, que mostra a resposta da Coordenadoria de Saúde ao Ministério Público, em função de um processo aberto pela Associação em Defesa da Moradia do Recanto Cocaia.


Em poucos dias, portanto, se avançou mais do que em anos, graças à organização do povo. Mas o tempo foi passando, as promessas não foram colocadas no papel, as informações chegavam desencontradas, e em meio a lutas noutros bairros, resolvemos fazer novamente um protesto pela UBS do Cantinho do Céu, e nos acorrentamos na Subprefeitura reivindicando um compromisso por parte da Subprefeitura e da Secretaria de Saúde. Esse compromisso foi firmado, como se pode ver abaixo, e foram estimados prazos para a implementação da UBS.

Diante da situação caótica da saúde, e da demora na implementação de novas estruturas de saúde em nossa região, é realmente difícil ter mais paciência, mas decidimos aceitar esses prazos, acompanhando o seu cumprimento por meio de reuniões periódicas. Com certeza não iremos ficar de braços cruzados, e mesmo se tudo ocorra como previsto, a situação está longe de ser resolvida, já que as atuais estruturas de gestão não garantem que as UBSs funcionem de acordo com os anseios da população. Além disso, os problemas do sistema de saúde em nossa região estão longe de se resumir à falta de uma UBS, e várias outras estruturas de saúde precisam ser criadas (UBSs, estruturas de atendimento médico especializado, pronto-socorros, hospitais), e em condições de dar um bom atendimento aos usuários. Não é isso o que acontece hoje, e não vai acontecer enquanto nossas vidas e nossas doenças forem mero meio das empresas e dos politiqueiros ganharem dinheiro.
É preciso construir um controle popular do sistema de saúde!

Saúde no Extremo Sul

Um (agitado) começo de caminhada

Há alguns meses, uma articulação entre a Associação em Defesa da Moradia do Recanto Cocaia, o Fórum Popular da Saúde, a Rede Extremo Sul, bem como algumas lideranças comunitárias e membros de conselhos gestores ligados à saúde, no extremo sul de São Paulo, deu origem a um conjunto de lutas e outros processos organizativos em torno da questão da saúde.

De saída, buscamos levantar e denunciar os principais problemas do atendimento público de saúde em alguns bairros de nossa região, por meio de vídeos e pequenos protestos em frente de UBSs (os postos de saúde). Neles, os usuários dos postos encontraram lugar para compartilhar o sofrimento e a humilhação que são submetidos sempre que precisam de atendimento, mas também para exigir mudanças.

Em meio a esse processo, criamos um espaço permanente de discussão sobre o tema da saúde, e de planejamento e avaliação das lutas. Trata-se de uma reunião mensal, que ocorre todo 2º sábado de cada mês, a partir das 10h da manhã, na Associação em Defesa da Moradia do Recanto Cocaia. Nessas reuniões, todos e todas podemos participar aberta e ativamente, sem sofrer pressão da burocracia estatal, e nem de quem quer que seja. Com isso, a gente pretende apontar para um caminho no qual se construa um controle popular das estruturas de saúde, que não seja o domínio dos “especialistas” ou dos “iluminados”, e nem dos “profissionais da política” que falam em nome do povo, mas sim um controle que só vai existir quando for exercido pelo grosso das pessoas que utilizam o sistema de saúde, em pé de igualdade, e com base no respeito e no compromisso com a organização popular.

Também organizamos um ato no Terminal Grajaú, no sentido de denunciar mais amplamente a degradação do sistema público de saúde, e o fato de que, cada vez mais, as nossas doenças e a precariedade dos postos, dos pronto-socorros, dos hospitais são grandes fontes de lucro para umas poucas empresas que privatizaram a saúde, em meio a imensos processos de corrupção e favorecimentos envolvendo políticos corruptos.

Se com a gestão pública a coisa já era terrível, se o sistema de saúde já era uma fonte de corrupção e desvios de verba, se já era uma mina de ouro para fornecedores de materiais e equipamentos superfaturados, se aqui e ali já era usado como cabide de empregos, e se a população já não tinha voz ativa e controle sobre o que acontecia, com a privatização tudo isso piorou.

Contra essa quadro, e exigindo o cumprimento das promessas feitas pelo governo em relação à melhora no atendimento e à construção de novas UBSs, realizamos também um acorrentamento na Subprefeitura da Capela do Socorro.

Sabemos que esse é um comecinho de caminhada, que com o tempo vai aproximar mais companheiros e companheiras, e vai ganhar novos contornos. Também aqui, em relação ao atendimento de saúde, vimos mais uma vez que é possível lutar, e que as lutas podem trazer conquistas e melhorias reais para nossa região. Que outros focos de resistência e de luta se espalhem pela cidade, para que possamos deixar de ser considerados meros números em metas de produtividade, para benefício de meia dúzia de endinheirados.

Fórum Popular de Saúde e Rede Extremo Sul

Saúde no Extremo Sul

UBS Cantinho do Céu JÁ!!!

Segue aí um pequeno vídeo do protesto de ontem, na Subprefeitura da Capela do Socorro.

Saúde no Extremo Sul

Resultados do Protesto de Hoje

Conforme divulgamos, realizamos hoje um protesto na Subprefeitura da Capela do Socorro, reivindicando um posicionamento da Subprefeitura e da Secretaria Municipal de Saúde sobre a criação da UBS Cantinho do Céu. 

Depois do acorrentamento de alguns manifestantes, fomos recebidos pelo Subprefeito e por representantes da Secretaria de Saúde, e foi atendida a nossa reivindicação. Foi produzido um documento (que logo divulgaremos), no qual se diz que está em curso um processo de desapropriação do imóvel que abrigará a UBS, processo que deverá durar mais uns 2 meses. Depois disso, será feita uma reforma de adequação, cuja estimativa de duração é de 90 a 120 dias.

Até então a informação que tínhamos era a de que seria impossível alugar o imóvel, por problemas relacionados à sua regularização, já que ele se localiza em uma área de mananciais. Além disso, não tínhamos qualquer compromisso formal, incluindo estimativas de prazos, só promessas verbais, sempre descumpridas.

Poucos dias depois do protesto que realizamos em frente à UBS do Residencial Cocaia, em abril, a Subprefeitura deu entrada no processo de Decreto de Utilidade Pública, que deverá permitir o uso do imóvel escolhido.

Iremos acompanhar esse processo de perto, e continuar com a sequência de mobilizações, para que a UBS do Cantinho do Céu seja finalmente criada. E isso é apenas um pequeno passo na luta contra a precariedade do atendimento de saúde em nossa região, e para que a saúde pública deixe de ser uma mera fonte de lucro. Acreditamos que só a organização do povo pode tornar isso realidade. Criar, criar, poder popular!!!

Saúde no Extremo Sul

Moradores se acorrentam na Subprefeitura da Capela do Socorro

O ato começou cedo. O motivo: a falta de cumprimento de um compromisso firmado depois de um protesto em frente à UBS do Residencial Cocaia, realizado em abril deste ano. Na ocasião, foi dito que em 1 mês o prédio da UBS do Cantinho do Céu seria alugado, e que, na pior das hipóteses, até setembro a UBS estaria funcionando.
Os membros da Coordenadoria e da Supervisão Técnica de Saúde se esquivaram de colocar a promessa no papel, e agora parece que a palavra já fez curva, e que a Subprefeitura não pode autorizar o aluguel do espaço.
Com isso, qualquer um consegue entender o recado que é dado à população: dane-se sua saúde, suas necessidades, seus problemas. Para os chamados “governantes” isso não importa.
Como temos denunciado (aqui, aqui, aqui, aqui, e aqui), em nossa região as estruturas de saúde se mantém as mesmas, enquanto que a população se multiplica. Com isso o atendimento se degrada, o que é bastante agravado pela privatização da gestão dos postos, pronto-socorros, hospitais etc., pois torna ainda mais difícil o controle popular, e intensifica algo perverso: a conversão do nosso sofrimento, nossas doenças, e da humilhação que passamos em filas imensas à procura de atendimento em uma fonte de lucro e de corrupção, em benefício de uma minoria.
Por isso, queremos saber, e queremos isso por escrito: onde está a UBS do Cantinho do Céu? Onde está o contrato de aluguel do prédio? Quando a UBS do Cantinho vai começar a funcionar?

UBS CANTINHO DO CÉU JÁ!

Saúde no Extremo Sul

Respostas às reivindicações sobre a UBS Eliana

No dia 7 de maio fizemos um pequeno protesto em frente à UBS do Jardim Eliana, e apresentamos à Coordenadoria e à Supervisão Técnica de Saúde uma série de denúncias e de reivindicações, sobre os problemas de estrutura, a falta de médicos, a dificuldade na realização de consultas e exames, entre várias outras. Nessa ocasião foi acertado que no dia 24 seria apresentado um plano de ação para resolver esses problemas.
Diferente do que costuma acontecer quando se trata de dar uma resposta à população, dessa vez o que foi combinado foi cumprido, numa reunião que contou com a participação de membros desses órgãos, de membros do conselho gestor, de referências comunitárias etc. E os membros da Coordenadoria e da Supervisão foram atenciosos, e ao invés de tentarem nos enrolar, estipularam até o dia da reunião como prazo máximo para implementar as mudanças.
Clicando no documento abaixo, é possível ver um resumo do que foi apresentado. Dessas respostas, a gente pode destacar: o fim das filas de madrugada e das senhas, a criação de um consultório no andar térreo para atender pessoas com necessidades especiais, a reforma do banheiro, a compra de materiais e remédios que estavam em falta, o atendimento obrigatório de todos os usuários que procuram o posto por um(a) enfermeiro(a), a presença permanente de um agente de saúde para orientar e informar os usuários, entre outras.
Mas tem duas coisas muito importantes: para que essas mudanças aconteçam na prática e sejam boas, a população usuária precisa ficar atenta, e assumir sua responsabilidade no controle do funcionamento da UBS. Além disso, sobre a questão da reforma e da ampliação da UBS, bem como da construção de outras UBSs e outras unidades de saúde (de saúde mental, Pronto-Socorro, Hospital), que é algo fundamental para resolver o caos do sistema de saúde no Grajaú, não existe nada concreto (só uma previsão no tal do “Plano Plurianual”, que vai até 2013).
Ou seja, a luta está apenas começando!!!

Ato-panfletagem

A saúde pública está morrendo…e o povo se organizando

Para protestar contra a precariedade da saúde pública no extremo sul, para discutir como nosso sofrimento, mais uma vez, tem servido como fonte de lucro para uns poucos, e também para aproximar mais gente da luta que temos tentado travar, em torno da questão da saúde, hoje à noite o terminal Grajaú e seus arredores foram “invadidos” por manifestantes, panfletos, vídeos-denúncias, batucada, marchinhas, intervenção teatral etc.

É mais um pequeno passo nessa tentativa de juntar a nossa revolta, e transformar ela em organização, sem oportunismo e sem conversa mole, para mudar nossas condições de vida. E para que o nosso sangue deixe de ser sugado por esse maldito sistema. 

E pra quem não conseguiu chegar, segue aí a marchinha que cantamos hoje:

O vampiro da saúde suga tudo e vai embora…………………………………. i agora, i agora
O Kassab privatiza e a saúde só piora…………………………………….. i agora, i agora
É promessa e mais promessa e o prefeito só enrola………………………….i agora, i agora
As OS pega a grana e a saúde não melhora……………………………………….i agora, i agora