Poesia que nasce da Luta!

Hoje a reunião é na rua

A cidade não cabe em si,
A cidade explode,
A borda se revira.
A borda mostra que não é mentira a injustiça de todo dia,
Que a violência é cotidiana,
Que o opressor não se engana.
Sabe como, quando e de quem arrancar a mais-valia:
A fonte é o trabalhador, a periferia.
Com isso, a porca aperta e o parafuso espana,
Muitos não aguentam a situação desumana.
Gritam e dão a cara a bater,
Exaltam o direito de existir,
Mesmo quase não tendo o que perder.
Grajaú, Sítio São Francisco, Calmon Viana,
Quando a favela sai às ruas, não se engana.
Sabe quem tá do seu lado e quem defende os bacanas.
E do alto do prédio,
Sobre as vidraças do palácio da burocracia
A lona preta se espalha:
Exigimos moradia!
Que os politiqueiros de plantão se arrepiem,
Que as velhas estruturas tremam até ruir,
Só assim é possível sonhar um mundo novo,
Só assim lançamos as fagulhas do poder do povo.Alexandre Falcão
(diretamente inspirado pela ocupação da Secretaria do Verde pelo movimento de moradia do Grajaú)
São Paulo, 24 de setembro de 2013
viva as ocupaçõesPoema que recebemos pela nossa página do facebook do Alexandre Falcão, que tinha reunião marcada na Secretaria na terça-feira e se deparou com nosso protesto.
Todo poder ao Povo! Periferia Luta!
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s