Arquivo do mês: janeiro 2013

Comunidade da Escola João da Silva permanece mobilizada

Comunidade da EMEF João da Silva luta!

A comunidade da EMEF João da Silva permanece mobilizada para garantir uma mudança na gestão e no aprendizado dos alunos. Neste vídeo se reúnem depoimentos que contam a história de luta da escola, mas também de mães de alunos que denunciam a situação que ela está hoje, com a atual direção: sem espaços para resolver problemas de ensino e de violência, que desrespeita pais e alunos, que é ausente, negligente, autoritária. Além de tudo isso, as mães também dizem o que pensam sobre o uso privado da escola. 

Como ainda não saiu o resultado da apuração que a Diretoria de ensino da Capela do Socorro começou a fazer em primeiro de dezembro de 2012 (e cujo prazo que ela mesma estipulou já venceu), nós mesmos vamos publicando a avaliação que a comunidade faz da escola. Além de todas as denúncias apresentadas no ano passado, este ano também começou mal. É por isso que a comunidade exige urgentemente uma resposta, já que não querem que o ano letivo comece sem nenhuma mudança no quadro lamentável em que se encontra a EMEF João da Silva.

1 Ano do Massacre do Pinheirinho

1 Ano do Massacre do Pinheirinho

220112_massacre-do-pinheirinhoHá um ano milhares de pessoas foram expulsas de uma área onde construíam suas vidas desde 2004. A violência empregada pela polícia foi terrível, e o Estado como um todo deu mais uma monstruosa prova de que é capaz de fazer qualquer coisa (incluindo infringir suas próprias “leis”) para defender o interesse dos endinheirados, contra a população pobre.

p9Esse ano deve ter sido muito longo para as famílias do Pinheirinho, e infelizmente ele ainda não acabou. Afinal, a elas não foi dada nenhuma alternativa habitacional e nenhuma reparação pelas perdas e pela violência das quais foram vítimas durante e depois do Massacre.

Assim, o sofrimento dessas pessoas permanece presente, e se prolonga no de milhões de outras pessoas: as exploradas, as ameaçadas por despejo, as vitimas da violência policial, as que morem nas filas do hospital, as que são discriminados, e tantas outras.

incra-ocupadoNo entanto, acumulam-se os massacres e se planejam tantos outros, como o que se anuncia no caso do Assentamento Milton Santos e de tantos outros assentamentos, acampamentos e ocupações Brasil afora.

Enquanto esse sofrimento, tão disseminado, não cimentar nossa união, e enquanto ele não for canalizado para o combate desse sistema que nos massacra, a cada ano teremos mais massacres para lembrar e lamentar. Que os lutadores e as lutadoras não demoremos a decidir e a dizer numa só voz: este foi o último! A dor desses massacrados é a nossa dor! 

Contra o Despejo do Assentamento Milton Santos

Assentamento Milton Santos Resiste!

incra ocupadoNo final do ano passado, noticiamos que um assentamento localizado na região de Americana estava ameaçado de despejo. Há sete anos as famílias lá residem e produzem, e há tempos o assentamento foi reconhecido pelo Incra. Mesmo assim, ontem, no dia 15 de janeiro, essas famílias receberam a notificação de despejo, dada pelo  juiz Luiz Stefanini, o mesmo que determinou a desapropriação da Reserva Indígena dos Guarani Kaiowá. Mais uma vez, fica evidente para que serve a dita “justiça”, sempre a favor dos interesses dos grandes proprietários, dos especuladores, dos empresários.

Também há tempos os assentados reivindicam que o governo federal, na figura da presidenta Dilma Roussef, assine a desapropriação da área, garantindo a existência do assentamento Milton Santos na terra em que ele se encontra. Como resposta, até agora os representantes do governo federal negaram a possibilidade do despejo, e disseram que se fosse realmente necessário, ocorreria a desapropriação.

Agora é hora de cumprirem essa promessa, e para pressionar os governantes os moradores do assentamento Milton Santos, juntos com outras organizações, ocuparam o INCRA, e estão organizando um conjunto de lutas. Hoje, dia 16, às 18h, haverá uma reunião no INCRA ocupado, aberta a todos e todas que se solidarizam com essa luta. O Assentamento Milton Santos Resiste!

 

Denúncia no Pq Cocaia

Denúncia no Pq Cocaia

No final do ano passado uma criança de 2 anos relatou à sua mãe um caso de abuso sexual sofrido na CEI Pq Cocaia. Diante disso, imediatamente seus pais foram à creche, ao Conselho Tutelar, ao Hospital Grajaú, e a uma delegacia de polícia, para denunciar o ocorrido. Em vários momentos dessa jornada, eles acabaram enfrentando descaso, indiferença e até mesmo intimidações, como se estivessem cometendo uma grande ofensa em levar a denúncia adiante.

Revoltados com a situação, que segundo alguns relatos não é inédita, moradores do Pq Cocaia fizeram um protesto em frente à creche, protesto esse que apesar de pacífico foi recebido com truculência pela polícia.

Diante da insistência desses pais, que tiveram a coragem para não se deter diante das ameaças, o caso está sendo investigado, mas como circularam versões equivocadas do ocorrido, inclusive na grande mídia, os pais da criança nos pediram para divulgar um depoimento que eles deram naquele momento, e é isso que se pode ver no vídeo abaixo. 

Imagem

Mais um mutirão pra começar 2013. Venham tod@s!

multurao 2013