Táticas de despejo

Remoção Forçada na Favela do Moinho

Ontem, moradores da Favela do Moinho, localizada na Barra Funda, divulgaram uma carta aberta, em que contam uma história que nós, e tantas pessoas que vivem nas periferias, conhecemos muito bem. Há anos os moradores do Moinho resistem ao despejo e às intimidações, e como já virou costume nessas situações (por exemplo, lembremos aqui o caso da favela Diogo Pires, no Jaguaré, ou aqui e aqui o caso da Favela do Real Parque, no Morumbi), um incêndio dificulta ainda mais a situação das famílias, e serve de desculpa para removê-las e impedir a reocupação da área. Nesse caso não sabemos detalhes, mas em vários outros os incêndios ocorrem na mesma época em que são contratadas grandes empreiteiras para realizar obras nessas áreas (obras que exigem a remoção dos moradores); além disso, vários desses incêndios são flagrantemente criminosos, há uma grande demora na chegada dos bombeiros, e não há qualquer investigação sobre suas verdadeiras causas. Portanto, um jeito muito eficiente para destruir comunidades pobres, que são verdadeiras “pedras no caminho” do capital imobiliário, e de seus comparsas e lacaios que povoam a burocracia estatal.

No caso do Moinho, uma vez mais a alternativa apresentada pela Prefeitura é o bolsa-aluguel de 300 reais, mas, na carta, os moradores do Moinho deixam claro que não vão engolir isso como se fosse a “solução” para suas demandas por moradia. 

Anúncios

6 Respostas para “Táticas de despejo

  1. Maravilhosa foi a maneira da GCM atuar. Foi a primeira vez que polícia reagindo com pedradas. Desculpem a brincadeira num momento sério, mas não acreditei quando vi as cenas na record, quando os moradores retornaram ao local, buscar pertences. Mostra qual a proposta da gestão Kassab frente o movimento popular. E o terreno ao lado, dada reintegração de posse? Tem sido utilizado pra que? NADA! qual o projeto do proprietário? NENHUM! Apenas reforçar o sofrimento de muitos. Feliz 2012? Pra quem? CDHU e COHAB são cabides de emprego! É só analisar o organorama das duas: maioria dos cargos são de chefia e em confiança, roubam orfãos e viúvas e enriquecem empreiteiros. Qual a finalidade de gestoras de empresas que fazem a gestão de empreiteiras sub empreitadas? E qual a utilidade das secretarias de habitação? Levantar falsos líderes comunitários ligados aos gabinetes parlamentares? Está na hora de abrir a caixa preta da habitação.

  2. Pingback: São Paulo, Brasil: Tácticas de desalojo « Contra Info

  3. Pingback: The ‘Land of the Drizzle’ mourns victims « Contra Info

  4. Pingback: Táticas de despejo (SP) « Pela Moradia

  5. Pingback: Βραζιλία: Η «Γη του Ψιλόβροχου» θρηνεί θύματα « Contra Info

  6. Pingback: Η «Γη του Ψιλόβροχου» θρηνεί θύματα « //ΠαραλληλοΓράφος//

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s